Passo a passo de um levantamento fotogramétrico

Um levantamento fotogramétrico é um processo de obtenção de informações topográficas de uma área por meio da captura de imagens aéreas geralmente realizada por drones. Usando centenas e, às vezes, até milhares de fotos tiradas em sequência, um software é capaz de criar um modelo digital bastante detalhado do solo.

Por sua agilidade, especialmente em áreas de grande porte, essa técnica vem se tornando cada vez mais comum. O tema, inclusive, já foi objeto de artigo aqui em nosso blog publicado em abril sob o título “Avanços na topografia: a fotogrametria“. Se você ainda não está familiarizado com o assunto, vale a pena conferir. 

Nesse artigo, vamos descrever as etapas para obtenção desses dados por meio do aerolevantamento. O primeiro passo é o planejamento do voo. Quando são escolhidos os parâmetros que serão utilizados pelo drone para realizar a captura das imagens.

Essa configuração é feita por meio de um aplicativo, instalado no dispositivo ligado ao controle remoto do drone. Existem vários que desempenham essa função. mas os principais são: Map pilot, Pix4Dcapture, SkyDrones e o Drone Deploy. Eles são bem intuitivos. Muitos deles são gratuitos e, com exceção do Map Pilot, eles possuem suas plataformas disponíveis para Android e iOS. Na configuração de vôo é indicada a área que o drone irá cobrir. Nesse sentido, é importante sempre pegar uma área um pouco maior que a desejada para que se possa ter todas as informações seguras e sem cortes.

A principal configuração do vôo é a definição da altitude da aeronave durante o percurso. Quanto mais baixo o drone voar melhor será a qualidade e precisão do levantamento, em contrapartida, levará mais tempo de vôo e terá uma quantidade maior de imagens para processar. Além disso o vôo muito próximo ao solo pode representar um risco maior de colisão com obstáculos verticais como antenas, prédios e redes elétricas.

Imagem da tela do app MapPilot com uma área de levantamento demarcada
Área do aerolevantamento demarcada na tela do app / Fonte: Geosensori

Decolagem

Na hora da preparação para decolagem o passo mais importante para garantir a qualidade da topografia com drone é certamente a marcação dos pontos de controle. A distribuição uniforme dos pontos pelo terreno toma tempo, mas a posição deles garantem a precisão de todo o levantamento. Vale lembrar que é preciso ter o máximo de cuidado no cadastramento desses pontos, uma vez que erros de poucos centímetros podem comprometer a qualidade geral do trabalho de fotogrametria. Para entender melhor como marcar esses pontos e a sua importância para o processo fotogramétrico, dê uma lida em nosso artigo sobre o tema.

Toda a operação, da decolagem ao pouso, são controlados pelo aplicativo conectado ao controle remoto do drone. Apesar disso, o vôo automatizado oferece riscos ao equipamento, e, portanto, é imprescindível o acompanhamento do piloto durante todo o aerolevantamento, com a máxima atenção. Para tanto, existem normas importantes da ANAC e DECEA nesse sentido, uma vez que a regulamentação brasileira não permite a operação do drone fora do campo de visão do piloto.

Aplicativo

Na tela do aplicativo são exibidos dados do vôo com sua trajetória e percurso do drone, além de informações sobre o estado da aeronave como altitude, velocidade, carga da bateria e autonomia. Na GeoSensori costumamos utilizar o MapPilot na operação dos nossos drones. Esse aplicativo permite acompanhar em tempo real a captura das imagens e garantir que não há falhas no processo.

Após a captura das imagens encerra-se o trabalho em campo e começa o processamento das informações. O primeiro passo a ser realizado nesta fase é a descarga de todos os dados extraídos do campo para o computador. Com todos os dados em mãos inicia-se o  processamento das imagens, com auxílio de um software ou serviço de nuvem. Nós da GeoSensori, por exemplo, temos uma preferência pela utilização do software Agisoft Metashape (antigo Photoscan), onde realizamos uma pré-seleção das imagens e refinamos o alinhamento até ter certeza de que o material coletado atende os parâmetros exigidos pelo projeto.

Exemplo de imagens capturadas e alinhadas dentro de software específico
Software utilizado realiza o alinhamento das imagens capturadas

As próximas etapas do processamento são a geração dos produtos cartográficos ou topográficos que podem ser curvas de nível, MDE (Modelo Digital de Elevação), Ortofoto, modelos tridimensionais da área ou nuvem de pontos. A definição e acurácia dos produtos finais está diretamente ligada à qualidade das fotos, da precisão na captação dos pontos de controle e da capacidade do fotogrametrista na hora de processar os dados.

Nuvem de pontos capturados por drone e processados por software
Resultado da captura traz grande detalhamento e confiabilidade

Como qualquer outra técnica, são necessárias muitas etapas a serem seguidas e cumpridas a fim de realizar com eficiência um levantamento fotogramétrico. Dominar esses passos, um a um, exige muita prática, estudo e paciência. Mas, ao final, é possível obter resultados seguros e precisos. E para ajudar os nossos leitores com mais dicas sobre o passo a passo de um levantamento fotogramétrico deixe seu comentário e conte sua experiência para enriquecermos nosso aprendizado.  

Leia Mais

Um comentário em “Passo a passo de um levantamento fotogramétrico

  1. Pingback:Levantamento topográfico tradicional x levantamento fotogramétrico »

O que você achou desse post?